Crônica, Preconceito, Racismo, Reflexões

Fés Cruzadas

Autor:

  1. Marcos, nascido em 1987;
  2. O pai foi assassinado quando sua mãe estava grávida dele;
  3. Sua mãe usava drogas, mesmo na gravidez;
  4. Cresceu sob a violência doméstica e convivendo com a morte ao seu redor;
  5. Pobre, negro e sem perspectiva de vida;
  6. Seu único amparo era quando estava nas atividades da igreja, talvez por ser o local onde ele tinha algo pra comer e o único lugar que ele não era chamado de capeta;
  7. Aprendeu cedo a viver na marginalidade, a roubar;
  8. Aos onze anos fazia pequenos furtos;
  9. Aos dezessete cometeu o primeiro assassinato;
  10. Trazia no peito um cordão com a imagem de Jesus pregado na cruz;
  11. De tudo o que tinha, a fé era a única coisa inabalável;
  12. Não sabia o que era amar, não sabia o que era ter medo da morte, talvez sentisse medo de viver;
  13. Foi preso por quatro vezes, conheceu o inferno e descobriu como era ser o próprio diabo;
  14. Mora num barraco que ele apelidou de abatedouro;
  15. Engravidou uma garota e por achar que filhos tiram a vitalidade do homem, a matou quando ela estava com três meses de gestação;
  16. Uma segunda mulher que engravidou dele, foi morta por Marcos seis meses depois de dar a luz, a criança só não foi morta, pois era criada pela avó em outra cidade;
  17. Antes de dormir, por mais contraditório que nos pareça, Marcos sempre rezava;
  18. Tinha um altar, com uma cruz enorme acima na parede e uma grande imagem de São Jorge;
  19. A bíblia permanecia aberta no Salmo 23, tendo sublinhado o versículo 04.
  1. Carlos, nascido em 1989;
  2. Aos três anos viu seu pai ser morto;
  3. Sua mãe sempre lhe batia, sem motivo algum;
  4. Viveu mais tempo na rua que em casa;
  5. Pobre, negro e sem perspectiva de vida;
  6. Conheceu a fé através da TV, pois sua mãe sempre deixava em algum canal religioso;
  7. Apesar de tudo indicar o contrário, Carlos aprendeu que roubar era pecado e assim cresceu tentando conquistar a vida com honestidade;
  8. Tentava estudar, mas com fome não tinha bom desempenho;
  9. Aos dezessete anos conseguiu seu primeiro trabalho com carteira assinada;
  10. Trazia no peito um cordão com a imagem de Jesus pregado na cruz;
  11. De tudo o que tinha, a fé era a única coisa inabalável;
  12. Conheceu Márcia e descobriu o amor ao ver os brilhos nos olhos dela;
  13. Se casou, numa cerimônia simples;
  14. Está ainda construindo seu barraco, com muito labor;
  15. Sua esposa engravidou após um mês de casamento, mas teve um aborto espontâneo. Foi uma tristeza inigualável;
  16. Uma segunda gestação veio dois anos depois e nasceu Bianca, que eles chamavam de boneca. Uma linda e esperta menina que enchia a casa de alegria;
  17. Todos os dias antes de dormir, Carlos rezava e agradecia por ser um vitorioso, pois por mais que as durezas da vida o cercasse, ele se sentia de grande sorte por ter um barraco, ainda que não terminado, para morar e sua rainha e princesa para amar;
  18. Tinha um altar, com uma cruz enorme acima na parede e uma grande imagem de São Jorge;
  19. A bíblia permanecia aberta no Salmo 91, tendo sublinhado o versículo 07.
x
  1. Seis da manhã, após uma noite regada a orgia e drogas, Marcos ia sair para o que ele chamava de trabalho;
  2. Tomou um banho, se vestiu, pegou sua arma cromada que tinha gravada no metal o nome de São Jorge;
  3. Foi até o altar, acendeu seis velas, fez o sinal da cruz, pediu proteção, beijou a imagem de Jesus no seu cordão e saiu;
  4. Iria até o banco, sempre havia alguém que precisava sacar algum dinheiro cedo para pagar as contas durante o dia;
  1. Seis da manhã, ainda cansado por ter dormido pouco, tinha passado parte da noite estudando, Carlos levantou para sair pra trabalhar;
  2. Tomou um banho, se vestiu, pegou sua quentinha;
  3. Foi até o altar, deu um suspiro, agradeceu e pediu proteção. Beijou a imagem de Jesus no seu cordão e saiu;
  4. Andou depressa, pois ao descer do ônibus ainda tinha que passar no banco para pegar seu salário que fora depositado na noite anterior para pagar suas contas durante o dia;
x
Marcos olhava o movimento do banco quando percebeu que saía um homem, que de forma descuidada demonstrou que havia sacado uma quantidade razoável de dinheiro. Acelerou sua moto e abordou o homem. Carlos agora estava na mira de um revólver, recebeu voz de assalto, tentou argumentar e pediu “pelo amor de Deus” para que seu dinheiro não fosse levado, pois precisava dele para pagar as contas do mês e alimentar sua família.Marcos atirou no peito de Carlos. Carlos caiu e Marcos desceu da moto, pegou o dinheiro e subindo de novo na moto fugiu acelerado.Um filme passou pela cabeça de Carlos, lembrou de sua família, uma lágrima rolou de seu rosto, suspirou e entregou a alma pra Deus. Carlos morreu.
x
  1. Marcos chega em casa, conta o dinheiro. R$1.200,00 reais somente num assalto. Foi um bom trabalho;
  2. Lembrou das palavras de Carlos ao pedir “pelo amor de Deus”, começou a pensar em sentir remorso, mas acreditou que Deus estava do seu lado.
  3. Se conformou ao pensar “Deus quis assim”.
  1. O telefone tocou, Márcia atendeu. Uma notícia ruim lhe foi dada, Carlos estava morto;
  2. Lembrou de seus momentos e questionou a Deus por aquela situação;
  3. Se conformou ao pensar “Deus quis assim”.
Cruz de Sangue

Reflexões

escrever

Autor:

Queria agora poder escrever um livro, uma música, um texto.

No peito um desejo, na mente uma vontade, no corpo um friozinho que me faz arrepiar e eu diante do computador, ouvindo música  e ansiado estar em outro lugar.

Outros lugares, em outros momentos, em outra vida ou quiçá, nesta vida de forma mais intensa. Não ontem, não amanhã, mas agora. Neste momento.

Uma bicicleta, uma subida e bastante esforço. A glória de chegar ao topo e a certeza de mais subidas.

Amigos, família, desconhecidos.

Por fim, de tudo que desejei, só escrevi.

Texto iniciado em 30/06/2011 às 23:00hs e mal terminado em 29/05/2015 às 11:37hs.